about conceptual emptiness

VAZIO POR DENTRO

“Void Fraction” (ou em português, “Fração de Vazio”) é um projeto autoral focado na estética do abandono e do silêncio existencial – caracteriza-se por ser um discurso fotográfico que retrata o esquecimento humano, mas não da natureza. Além disso, é uma vertente crítica em relação ao descaso com a preservação do memorial arquitetônico de lugares históricos.

Fases I, II e III (Fase IV em breve)
A “Fase I” desse projeto foi feita na cidade de Pripyat, na Ucrânia. Em 1986, segundo teorias diversas, o reator 4 RMBK apresentou problemas nas hastes de controle e lançou material radioativo na atmosfera – uma grande tragédia nuclear. Foi o fim de um projeto urbano galgado na força nuclear disputada pela União Soviética e os Estados Unidos durante os anos 90. Já a “Fase II” foi produzida na antiga vila operária Maria Zélia, em São Paulo. Considerada a primeira vila operária do Brasil, hoje é patrimônio nacional tombado – mas seu abandono é quase tão impactante quanto os prédios de Pripyat. A “Fase III” nasceu em uma antiga fábrica abandonada, perto da cidade de São Paulo. As texturas são as mesmas, o silêncio das torres recortando a paisagem, a história impregnada e escondida na memória das paredes. São características  da minha busca estética em fotografia: aproximar as diferenças arquitetônicas e históricas desses lugares através do traço similar que eles conservam através do tempo.


O termo “Fração”, que nomeia as galerias de fotografia, significa que os ensaios fazem parte do tema principal (Fração de Vazio). O outro termo, “Fractal” (padrões geométricos complexos, similares uns aos outros), representa ensaios secundários, despregados do tema principal do site.